sábado, 10 de junho de 2017

.randomness #10

Coisas que me deixam a revirar os olhos:

Malta [jovem] que utiliza redes sociais em 2017 e ainda não aprendeu a usar hashtags.

#verao2017# ou  naoseiusarhashtags#
##usarhashtagsédificil

#tutorialparausarhashtags

sexta-feira, 12 de maio de 2017

Quando perdes a esperança nos sorteios e compras uma sem segunda mão, por metade do preço.

quinta-feira, 4 de maio de 2017

Quando a tua amiga te envia um link com livros de receitas da Bimba e os teus olhos batem imediatamente no título "Do Convento para a Bimby".


#Delorisbelike


sábado, 8 de abril de 2017

Lia, o que fazes num fim de tarde solarengo em Paris, quando está tudo a fazer fotossíntese nas margens do Sena?

... enfio-me num museu, faço download do audioguia da exposição e espero que o sol se ponha.

quarta-feira, 5 de abril de 2017

.aquele momento #6

Em que tenho saudades do Google Reader.

Aquilo é que era uma coisa em condições, marchava tudo e nada fica pendurado: ele era blogs, sites de notícias, journals científicos variados... Bloglovin's, Feedleys, Old Readers é tudo assim em pior e mais complicado e aborrecido (mas tenho conta em todos, ok?)

Já lá vão uns anos e nunca encontrei nada que me enchesse as medidas, essa é que é a verdade.

#bestfriendsforever #bringbackGoogleReader #euaindasoudotempo #bateusaudade #buéhashtags

terça-feira, 4 de abril de 2017

Nem às paredes confesso

Estão a ver aquele vizinho obnoxious a quem vos apetece mandar para a real p*ta que o pariu porque tritura sopas na Bimby à meia noite?

.
.
.
.
.

Sou eu.

segunda-feira, 3 de abril de 2017

Desabafo:

Sabem os ursinhos das ideias de merda da Avenida Q (se não sabem shame on you, e despachem-se a comprar bilhetes para o regresso em Setembro)?

Acredito piamente que não são marionetas, existem e há mesmo quem lhes dê ouvidos, a julgar pelas ideias de merda que vou tendo que gramar...

Smile and wave, já dizia o outro.

domingo, 2 de abril de 2017

Penso muitas vezes sobre como devo voltar a escrever aqui. Não só sobre a minha vida aqui, mas coisas que acontecem em Portugal e no mundo, coisas sobre as quais me apetece escrever ou deixar registadas de alguma maneira. O Facebook poderia ser a melhor plataforma para isso, mas é mais uma janela para a vida de cada um e a sensação que me deixa é a de um sítio onde toda a gente pode ir debitar umas quantas frases, encetar um debate, fazer os holofotes incidir sobre si, e deixar que todo um universo de "amigos" tenha uma vista prveligiada para a nossa vida. É por isso que gosto desta plataforma e nunca a deixei morrer verdadeiramente. Além de ser já antiga e apesar de já aqui ter dado a cara tenho tão poucos seguidores/leitores e comento tão poucas vezes nos blogs que leio, que aqui acaba por ser um local mais privado e com muito menos impacto do que o meu Facebook ou o meu Instagram, onde me permito mandar umas larachas de vez e quando.

Adiante, e voltando ao início deste post, penso muitas vezes como trazer este blog à vida e sobre qual deveria ser o primeiro post. Faz mais sentido que comece onde o deixei a marinar, no final de Agosto e antes de ter vindo para França, mas parece-me que foi já há tanto tempo e já se passaram tantas coisas que me relatar essas coisas me parece anacrónico. Ainda assim, long story short:

Apanhei um avião às 6.00 da manhã depois do namorado e da BFF me terem deixado no aeroporto. Cheguei à vila onde me tinha hospedado e ao fim de uma semana já tinha percebido que a pitoresca Gif-sur-Yvette não era para mim. Razões para tal: tenho menos de 70 anos, não tenho uma família com crianças pequenas e não tenho carro, logo ficar confinada a uma vilazeca em que o supermercado mais próximo fica a 15 minutos a pé, num estúdio que afinal se situava dentro da casa dos meus senhorios septuagenários que me torceram o nariz quando disse que o meu namorado lá ia ficar um fim de semana... não era para mim!

Ter o trabalho a 15 minutos a pé era tentador, mas pela minha sanidade mental, quis sair dali e mudar-me para mais perto de Paris. Depois tive um mês de Outubro que se revelou dos mais caóticos e stressantes da minha vida (e sim, já defendi um PhD), em que não conseguia encontrar uma casa para morar e ponderei seriamente voltar para Portugal, em que esbarrei com preconceito por não ser francesa e por não ter fiadores franceses apesar de ganhar 3x mais do que o valor de aluguer pedido, tive saudades da família, das minhas gatas, dos meus amigos, do meu ginásio. Finalmente, e quando já estava em total desespero e com o fim do mês a aproximar-se e a ter que sair da casa em Gif, encontrei um estúdio no subúrbio sul de Paris chamado Bourg la Reine, a 15 minutos de comboio de Paris e a 30 minutos de Gif. Acomodei-me, fiz umas viagens ao IKEA e à loja local de bricolage, recebi família, fui a casa nas festividades e assentei com uma rotina na minha vida de suburbana de Paris.

 Et voilá, cá está a história resumida-e-onde-deixei-de-lado-todo-o-drama-de-senhoria-psico-e-louca-do-meu-primeiro-estúdio, de como finalmente me instalei num banlieue sul de Paris. 

quinta-feira, 23 de março de 2017

Coisas que os franceses fazem... 

Comer a salada de alface no fim da refeição. Ou qualquer outra coisa fria que esteja no menu como "entrada".
Fazer do queijo sobremesa também é estranho para mim, mas deve ser porque não gosto de queijo.

quinta-feira, 9 de março de 2017

domingo, 5 de março de 2017

sabem quantas vezes abri a gramática de francês Larousse que adquiri na Bertrand no Natal passado? Exactamente duas. Quer-me parecer que seis meses é o tempo limite para me safar com "ah, desculpa, o francês é a minha terceira língua e eu só estou cá há pouco tempo, por isso não falo muito bem".
às vezes lembro-me que prometi actualizar o blog com mais frequência, mas 5 segundos depois o pensamento esfuma-se e volto à vida real.

domingo, 5 de fevereiro de 2017

Quando parti achei que este blog ia estar sempre actualizado, que iria servir de jornal de viagem ou de desabafo de recém expatriada, que seria a montra das fotografias desta cidade.
Não foi. Ficou abandonado, e eu com tanta coisa para dizer, para mostrar e para contar. Na verdade as coisas foram sendo partilhadas com quem importava mais no Skype, Whatsapp e Facebook. Por Poucos vêm aqui ter para ler. Gostava de começar do princípio, mas receio perder o fio à meada e esquecer-me de pormenores em determinadas situações que na altura tiveram a maior importância. Por isso começo aqui, hoje, de novo.

Voltei.